O que você tem dito a si mesmo ?

bc195c58ac82395bdecee1ea00f4b56a

As piores mentiras são aquelas que dizemos a nós mesmos, buscando nós convencer de algo por medo ou mera conveniência. Tentando assim calar a inquieta voz da verdade dentro de nós mesmos, a qual  grita incessantemente qual é a realidade dos fatos.

Minha experiência me revelou que quando criança apesar do mundo de fantasias que rondava minha cabeça, não havia necessidade de  tais mentiras.

Mas então cresci, e com isso, como todo adulto  passei a presumir demais. E em um mundo de tantas suposições, as presunções me levaram para um calabouço solitário onde eu ousava presumir as reações das pessoas, ou pior suas intenções e atitudes em relação a mim.

Você já  fez uma ideia boa de alguém que te surpreendeu com alguma atitude desprezível?

E o contrário?

Pois é, faz com que nos sentimos completos idiotas, né? 

É como tenho me sentido diante de certos fatos.

A verdade incontestável é de que a vida é uma surpresa, e tão certo quanto você não pode presumir o que acontecera dentro de duas horas ( ou se existirá amanhã ), você nunca vai poder supor as atitudes alheias ( e muitas vezes nem as suas próprias ) .

Eu andei pensando bastante sobre, pois as vozes a qual costumamos dar mais ouvidos, são as nossas, a voz do orgulho que diz  não  faça isso porque isso é se sujeitar, a voz do medo que diz não encare, a voz da audácia que fala quando deveria calar, entre tantas outras que se disfarçam de pensamentos inofensivos.

Nossa postura diante da vida vai ser fortemente determinada pelas vozes interiores que escolhemos ouvir. E por essa razão é extremamente importante pensar em que estamos dizendo a nós mesmos, e no que temos nós forçado a se convencer.

Há em cada um de nós vozes de encorajamento,que podem ser boas ou ruins. Mas ambas são reflexo do nosso eu.

E o que você tem dito  pra si mesmo?
O que ecoa pra você em forma de pensamentos?

Ok, você não pode controlar seus pensamentos.

Mas lembre-se pode controlar suas atitudes.
Anúncios

Quem eu era, quem tenho sido ou quem vou me tornar ?

08ec2fa7ee2f6f5b0c14cc76a3bd209cE. E. Cummings escreveu    Não ser ninguém – além – de – você – mesmo num mundo que está fazendo de tudo, noite e dia, para transformar você em outra pessoa – significa travar a batalha mais difícil que qualquer ser humano pode travar; e nunca parar de lutar. E ele também escreveu É preciso coragem para crescer e tornar-se o que você realmente é. E são  com essas  duas frases que eu estou de  volta depois do hiato de alguns meses, sem escrever nada por aqui. 

Sobre  estes meses ausente, o que dizer ?

Conto sobre ter feito  a  minha primeira tatuagem, sobre os quilos que  ganhei , sobre meu pesadelos  ou sobre alguns sonhos se realizando ?

O que realmente importa? Quem eu era, quem tenho sido  ou quem vou me tornar ?

Porque, bem , quem eu  era errava bastante, quem tenho sido também erra (mesmo que tentando concertar velhos erros), e eu não sei se por hábito ou ”destino”, ou pelo simples fato de ser humana vou  continuar a cometer erros. 

E por mim tudo bem, tudo bem seja lá o que esteja por vir, contanto que eu volte aqui e me de conta de que o meu eu, essa parte grande insólita sobre quem eu sou continue viva, mesmo diante de todo esforço que o mundo faz para me tornar outra pessoa, matando quem eu realmente sou. 

Se  há  alguém que ainda acompanha, ou eventualmente lê esse blog, bom eu estou de volta!  E peço desculpas  a minha  dúzia de emails de  vocês  leitores  insólitos que ficaram sem respostas por tanto tempo. 

O que posso  dizer é  que foram meses bem insólitos e decisivos.  Houveram risos, lágrimas, espanto e surpresas agradáveis, e aos poucos   irei contando se não tudo, boa parte  do que aconteceu. 

Com toda minha insólita mente

Jaque Bastos

 

 

Merlí : Filosofia, puberdade e sexo

imagej

A proposta da série   Merlí  é no mínimo diferente, e foi recomendada pelo meu professor de espanhol. 

Recomendação de um ótimo professor +  ideia diferente  = acabei assistindo um episódio …  atrás do outro, em dois meses as  3 temporadas!

E agora estou aqui para recomenda-la  á vocês  (apesar de  considerar que há  na mesma certos exageros, cenas desnecessárias, e como em toda série Netflix APELATIVAS!

Cmy1xIIWEAAbsYk

Resumão: Merlí  é  um homem divorciado, com cerca  de cinquenta anos, pai de um adolescente homossexual,  que passa a morar com mãe  (que é atriz) por estar desempregado.

Mas logo no início da série ele arruma um trabalho como professor  no  colégio onde o filho estuda.  Não  demora muito para se destacar entre os jovens por ser irreverente e espontâneo.

1505800977_596990_1505801311_noticia_normal

Pontos altos  da série : 

Um pouco de  didática

Cada episódio tem o nome de um filosofo, e mostra um trecho da aula de Merlí sobre o mesmo.  No decorrer do episódio tudo está  de certa forma ligada a filosofia do filosofo em questão, o que acaba por ser uma abordagem sensacional sobre.

Metodologia de Ensino e Influencia 

Através do personagem a série faz duras criticas ao método de ensino autoritário, e  também  aponta para necessidade   dos jovens  em ter alguém com quem possa contar. O que leva Merlí a ser uma espécie de herói da garotada.

Merlí  é  um professor capaz de causar grande influencia. Mas nem sempre sua influencia sobre eles é boa, pois Merlí  apesar de adulto leva a  vida de uma maneira um tanto quanto inconsequente o que garante boas confusões durante as três temporadas.

O personagem chega a  fazer criticas quanto a política, a educação ortodoxa de alguns pais e há  falta de atenção de outros, entre outros pontos  sociais  que estão  inerentes ao papel  da construção  educacional, tal como  o papel da escola em relação  ao  combate do bullying  e a liberdade sexual. 

Sobre tudo a importância de formação de cidadãos críticos  com opiniões próprias (ou seja seres capazes de não sucumbir a massa)  é  o que se destaca nesta série. 

merli.html

O ponto baixo da série com certeza  é o exagero das cenas de sexo (sendo estas demasiadamente exploradas, e em quase todos os episódios), e a forçação de pares entre personagens que claramente não teriam nenhuma ligação afetiva, o que acaba por tornar estes ”romances” fantasiosos demais e chatos. 

O FIM  – O fim  é  lindo, porém triste, e com certeza   cumpre o principal proposito  da série   que é   fazer o expectador pensar  sobre qual seria A MELHOR maneira de levar sua vida!

Assistam e me digam o que acharam !

 

As perfurações

ba5235f60f757d29ce27fd7a90fcbeaf

Uma lança, uma opinião, um conceito mau formado  e pontiagudo  vem disposto a tirar-me o sono. Atormentar com armas, minha bolha quente e confortável, que  é para mim como um útero,  um lar. 

Amargas perfurações de verdade, se não fossem por ti, como o sol entraria aqui? 

É bem verdade, que toda  placenta estoura. 

Ciclo do autoconhecimento

2bf20e6bb82a3cca5a16a0b88a454aff

Aqueles dias noutro tempo  eram considerados os belos dias.  Mas então a luz! E logo já não eram tão belos assim. 

Eis  a desilusão amiga, me  apontando as tolices que antes não via. 

Mas é  chegado o tempo em que vejo demais, e como  que afim de evitar o erro, temo a vida.  

Precaução demais! -grita  o coração.

Teimosia! Outro erro, outra dor , uma nova culpa, uma tatuagem, cem anos de solidão …

Esse é outro tempo!

Eis a  ilusão  amiga, a qual abraço já  sem medo, pois sem ela não  viveria. 

Soneto da vida difícil

large (2)

Não houve favoritismo algum, foi preciso acordar cedo e dar a cara a tapa

Foi preciso um coração de aço e joelhos capazes de suportar milhas e milhas

Foi preciso ler os sinais e os bons autores além da contra capa

Não houve lugar por onde não vagasse sua alma, na imensidão sonora de trilhas

Era preciso que fosse poeta, mulher, amante e aprendiz

Fora tudo e muito mais que se possa crer existir

Era no eu lírico uma multidão morando numa única cicatriz

Fora divina, rainha e imperatriz numa só vida regada á mártir

Não há quem não a sentisse penetrar a alma

Foi refém da própria falta de calma

Era insólita, imatura e neurótica

Era a encarnação de uma cronica em cada defeito que possuía

Era estranho vê-la partir de mala e cuia

Quase sempre sem rumo, acabava no destino certo de uma viagem caótica

 

A magia da disciplina em O Caminho do Guerreiro Pacífico (filme, resenha do livro e dica de quadrinho)

PicsArt_01-13-03.46.17

Hoje eu vim recomendar, um dos livros mais significativos que já li na vida, se trata do best-seller O CAMINHO DO GUERREIRO PACÍFICO

O livro na época de sua edição vendeu cerca de 25.000 exemplares no Brasil, quantidade que considero pouca, diante das  importantes reflexões que o livro proporciona a seus leitores no mundo todo.  Traduzido em vinte idiomas, e até hoje fazendo workshops e seminários  Dan Millman é um desses autores difíceis de ignorar!

DanMillman
Dan Millman é um escritor norte-americano que já publicou 13 livros em um estilo auto-ajuda místico. O mais famoso dos seus livros é “O Caminho do Guerreiro Pacífico”, uma espécie de semi-autobiografia, no qual o autor relata desde a sua vida como jovem ginasta que se preparava para as Olimpíadas, até o seu encontro com o mestre Sócrates, que vai lhe transmitir ensinamentos de transformação interior, que muito tem da filosofia budista.

Vamos a minha historinha com livro :  Era final do ano de 2015 quando acabará de sair de um relacionamento,   e para compor ainda mais minha fase fossa, eu também estava desemprega e doente, pois havia sido diagnosticada com anemia profunda.  Não conseguia sair de casa, então  entre muitos bifes de figado e saladas de beterraba eu assistia a muitos filmes na internet para me distrair, foi então que através do Youtube  que conheci o filme traduzido aqui no Brasil como  Poder Além da Vida  (Título orginal : Peaceful Warrior)

Ter assistido a este filme tão motivante, justamente naquela época foi algo muito importante pois me ajudou muito. Não demorou muito para que eu fosse atrás de descobrir tudo sobre o mesmo, que apesar das alegorias, é baseado na história real de   Dan Millman, que além de escritor (com mais de dez livros publicados) hoje em dia também atua como palestrante disseminando ainda mais a filosofia do Guerreiro Pacífico  

Embora tenha comprado o livro no ano passado, e devorado o mesmo em poucas horas, eu resolvi o reler nos últimos cinco dias com mais calma, para fazer uma resenha por aqui.  Clique aqui para assistir ao filme. 

Sobre Dan Millman

IMG_93d41b7a0758c28f3c193d29ccdf2580

Como livro é dividido:IMG_f8095a2dbec62526e7680eda6b2da2a0Slide de alguns dos meus  trechos favoritos: 

Este slideshow necessita de JavaScript.

RESENHA DO LIVRO IMG_b9683d9966b0adc6b9507003775a02b5.jpg

O livro  se inicia com a entrada de Dan na Universidade, e é justamente durante esse período  como estudante, que o jovem passa a ter pesadelos terríveis com a morte, e caminha para depressão. 

Até que certa vez ,após acordar de um pesadelo, vai até a loja de conveniência de um posto de gasolina próximo a Universidade, e lá se depara com um senhor identifico ao que estará em seu horripilante sonho. Tornando a situação ainda mais enigmática, instantes depois de Dan o ver sentado,  se vira para trás e nota que o  senhor está no teto da loja. Atordoado  o questiona sobre o truque, mas o senhor permanece quieto. 

Seus pesadelos se tornam ainda mais terríveis e frequentes, então Dan decide voltar ao posto de gasolina para obter respostas,  tanto sobre o por que daquele homem fazer parte de seus pesadelos (e por se sentir de algum modo ligado a ele) , e claro, também  para descobrir como o mesmo subiu tão rapidamente ao telhado. E assim nasce uma estranha amizade, entre aprendiz e mestre.

O senhor sábio de aparentes poderes misticos e  respostas filosóficas,  é chamado por Dan de Sócrates, e passa no decorrer de todo livro frases bastante significativas, chegando até a fazer menção de muitas narrativas de cunho filosófico. 

Sócrates encaminha Dan para vida de guerreiro, enquanto o mesmo acaba sendo passado ao pelo leitor, que também é levado a rever seu estilo de vida e seus sonhos.

PONTOS IMPORTANTES DA NARRATIVA 

O medo que Dan possuí da morte

A maioria dos pesadelos do personagem  está relacionado a morte. E esse é um ponto bastante abordado no livro, pois diferente de Dan, Sócrates não teme a morte e o alerta dizendo que ”A morte não é triste. O triste é que a maioria das pessoas não vive.

Durante o livro, situações levam tanto Dan quanto Sócrates a  flertarem com a morte, o que torna o tema ainda mais  expressividade no livro.

O medo do fracasso

Seja como ginasta, seja no amor, ou na vida como um todo, Dan como maioria de nós teme o fracasso, e por isso vive correndo atrás do sucesso. E mesmo se deprimindo e ficando cada vez  mais frustrado, custa-lhe muito perceber que a ” A jornada é o que nos traz a felicidade, não o destino”

Neste ponto Dan é levado a se questionar sobre o porque por trás de suas ações, e encontra assim respostas que o levaram a perguntas ainda mais complexas sobre sua existência.

A ansiedade – A dificuldade do personagem de viver no presente

Outro ponto onde fica  fácil se identificar com Dan, é em relação a sua dificuldade de viver O AQUI, O AGORA. Não é atoa que da um demasiado trabalho a Sócrates ensinar a ele esta lição!

A falta de autocontrole   x   A disciplina de um guerreiro

De irritadiço, esfomeado, falante e  triste,  Dan trilha o caminho do Guerreiro Pacífico rumo uma mudança  radical de vida. A qual se fundamenta nas 3 Regras, que são:

PARADOXO
A vida é um mistério. Não perca tempo tentando entendê-la.
HUMOR
Tenha senso de humor. Especialmente sobre si mesmo. É a força por trás de toda atitude.
MUDANÇA
Nada permanece o mesmo.

IMG_be01c176b7bafc84252814159352501c

Enfim, chega de resenha. e bora mergulhar  de cabeça nessa obra incrível de Dan Millman que rendeu o filme citado no inicio do post, e também uma bela história em quadrinhos,  com ilustrações de Andrew Winegarner. 

 

O Livro, com certeza é a maneira mais profunda de conhecer essa linda história e aprender com as experiencias reais de Dan, mas sim, carrega um dose extra de misticismo e alegorias.

O Quadrinho, por sua vez condensa muito bem o fundamental da história, mas talvez por não ser muito meu estilo, não creio que seja tão expressivo quanto o livro. Já meu namorado que curte quadrinhos, considera  que as ilustrações de Winegarner foram mais eficazes do que o longa quanto a transmitir as mensagens que Millman destaca no livro.

Quanto AO FILME, embora tenha sido meu primeiro e significativo  contato com a história de Dan, confesso que quando comparado ao livro ou mesmo aos quadrinhos, acaba sendo a  versão mais rasa, pois no longa  dirigido por Victor Salva não existe os ares de fabula e misticismo presente nas narrativas, o que acaba por  ter retirado da história partes bem interessantes.

IMG_3cdf3e9a98578fe058476a2e099e1321

PS: TANTO O LIVRO QUANDO O QUADRINHO FORAM LANÇADOS AQUI NO BRASIL, PELA EDITORA: PENSAMENTO.