Sobre a participação no CNNP ( O TERCEIRO CONCURSO DO ANO )

20161218_115831

Foi minha primeira participação no CNNP, e me sinto privilegiada por ter sido selecionada para fazer parte de mais uma Antologia Poética promovida pela Editora Vivara.

Deixo  aqui meu soneto que faz parte desse compilado de trabalho de novos poetas:

tumblr_static_tumblr_static_filename_640

Confissão

Tentei de tudo, mas ele não deixava meu pensamento

E então me tornei refém, sem ousar de novo outra tentativa de resistência

Me entreguei inteira ao sentimento

Que pedia de mim solucionar depressa a dor da ausência

E contra a vontade do amor não se luta

Padre o senhor a de me compreender, era um encanto

E já não sou mais uma mulher impoluta

E sabia que só encontraria nele meu acalanto

Havia de ser assim ou eu ia morrer

E eu só iria a óbito por amor, se ele fosse comigo

E então fomos pra não mais sofrer

Para onde vão os apaixonados sem noção de perigo

Fomos amar

Mas não vou pedir perdão por isso

Só queria mesmo era confessar não ter mantido meu sentimento remisso

Pois isso seria pecar


 

20161222_203526

Concurso 1 –  Soneto: Anjo Caído > ver aqui 

Concurso 2 – Soneto: Soneto de didático para Leonardo > ver aqui

É possível conferir outras participações AQUI << 

Que tal uma vírgula ? (O VENDEDOR DE SONHOS)

Ontem eu tive o privilégio de conferir o longa baseado na encantadora obra Augusto Cury, O Vendedor de Sonhos (O CHAMADO). E embora tenha lido o livro em meados de 2011, ao assistir vivenciei novamente as emoções que me tomaram através da leitura. O filme de fato transmiti a bela mensagem da obra.Onde o autor de psiquiatria  exalta a vida, a amizade, o perdão, e principalmente a importância da família.

Sem dúvida nenhuma, vale muito apena conferir o filme com direção Jayme Monjardim nas telonas!

Resumo: Júlio César interpretado por Dan Stulbach, era  um psicólogo renomado,  que se sente demasiadamente frustrado por não ter conseguido ajudar o próprio filho, se culta e se martiriza, a ponto de tentar cometer suicídio, mas então impedido  por mendigo bastante sábio (interpretado por César Troncoso). Nasce então uma insólita amizade  entre os dois, que passam juntos a ajudar outras figuras peculiares a colocar uma vírgula na vida, deixando para traz o ódio, as frustrações ou mesmo a dor dos que partiram.

Observação: Como a trama foi compactada em 85 minutos, não há na adaptação a  mesma riqueza de  detalhes  do best-seller , recomendo por tanto se possível antes de tudo a leitura no livro.

NOTA : 10

SENSAÇÃO: reflexiva

 

O sentido de um fim e as memórias que todos temos

Oi! 

Hoje eu vou resenhar a primeira leitura obrigatória da minha vida acadêmica como estudante de Letras, o livro O sentido de um fim ( título original : SENSE OF AN ENDING ), do autor inglês Julian Barnes.

20160912_174210

Iremos trabalhar o livro durante todo esse primeiro semestre,  na disciplina  Lingüística e Comunicação.

Confesso que comprei o livro há duas semanas, no entanto estava bem difícil dar continuidade a leitura do mesmo. Em parte por ler nas brechas de tempo no transporte público ( que convenhamos não é o que se pode considerar um bom lugar para leitura ), em parte por desinteresse na narrativa ( eu detestei o jeito esnobe como o narrador descreve  como eram seus  amigos colegiais, metidos a filósofos mo inicio do livro ) .

Mas ontem, ao me dar conta da quantidade de tarefas que tenho protelado, decidi ( e prometi a mim mesma )   começar o livro do primeiro paragrafo ( De novo!  Deixando de lado as primeiras e negativas impressões )  e ir até a última página  em poucas horas… acabei por adormecer as 2 AM deixando minha promessa se esvair em profundo sono.

Acordei atrasada para o trabalho, e quase esqueci de levar comigo r as 159 páginas do  senhor Barnes, mas  finalmente, finalmente terminei o livro! Então bora conferir minha resenha!

MINHAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A OBRA  

O livro é narrado em primeira pessoa por Anthony Webster ( ou Tony para os íntimos) , um  senhor de sessenta e poucos anos  que mergulha de cabeça nas memorias da juventude, afim de encontrar sentido para uma porção de questões que talvez não tenham tido um fim, ao menos não, com um  sentido claro. 

Durante anos você sobrevive com as mesmas sequencias, os mesmos fatos e emoções. Eu aperto um botão marcado Margaret ou Verônica, a fita corre, a mesma coisa de sempre aparece. Os eventos reconfirmam as emoções- ressentimento, uma sensação de injustiça, alívio-  vice -versa.

Não parece haver um jeito de acessar  outra coisa; o caso está encerrado. É por isso que você busca corroboração, mesmo que acabe sendo contradição. Mas e se, mesmo num período tardio, suas emoções acerca daqueles fatos  e pessoas do passado mudarem? 

Pag.  129

O tempo passa para todos, mas o que revela quem somos, nossa história, e tudo que vivemos é a nossa memória. Memória essa que com o tempo pode falhar, nos fazendo talvez nos perder de quem  fomos,  e assim consequentemente de quem deveríamos ser.

E hoje, quem somos? Sub produto do que vivemos,  ou o que pretendíamos realmente ser?

Quem era mesmo Adrian? Quem era mesmo Verônica?

Tony Webster busca responder a essas perguntas, enquanto acaba por perceber quem é, e sobre tudo quem foi. Numa reflexão nostálgica Tony procura compreender o passado, para encontrar sentido no presente. 

O livro traz fragmentos de muitas memórias da juventude do narrador, e suas impressões atuais sobre elas. 

Além de revelar fatos do presente como encontros com Margaret sua ex mulher, e uma serie de encontros com Verônica sua ex namorada da adolescência. 

Particularmente amo obras literárias que tratam do poder corrosivo do tempo,  e de  como os anos podem comprometer nossa memória a ponto de alterar o sentido de muitas ocasiões. 

Eu sei que o que vivi, com base em tudo que me lembro, mas se passo a esquecer o que vivi, fico confusa, não sei bem o que senti quanto estive lá ( no passado) , naquele lugar distante que é agora apenas uma memória nebulosa.  É assim que me sinto se por mais que me esforce esqueça do que fora outrora. 

Isso é humano! Esquecer é humano, afinal de contas quem de nós pode levar consigo a clareza de algo mais do que cabe em pequenos fragmentos de memória?

Eu não posso!

E por essa razão acabei por me identificar com Tony Webster, e talvez seja por isso que o livro tenha ganhado tanta repercussão  ( e vencido o premio MAN BOOK PRIZE 2011) . 

Se esqueço  o que vivi, logo esqueço o que senti, e  acabo por perder as lições por trás de tais sentimentos. Logo me perco de quem me tornei através dos episódios vividos, volto a estaca zero. Sem memoria de certos fatos, sem parte de mim…  Que sentido  tem o fim se nem me lembro do começo?

Embora não tenha me apegado tanto ao personagem em si, ou mesmo a construção dessa narrativa, gostei muito de como Julian Barnes  retratou a memória, e o que pode acomete-la com o passar do tempo. Fragmentos, nada além de fragmentos … algumas cenas, algumas coisas que nunca iremos esquecer, decepções, amigos que partem para sempre, o envelhecimento, a vida tomando novas formas depois de se tornar disforme. Esse livro faz uso da nostálgica analise de um personagem sobre sua  juventude, e acaba por levar o leitor a mergulhar nas suas próprias memórias. E refletindo nelas, nos perdemos um pouco de Tony, mas questionamos as mesmas coisas que ele. 


Sobre o livro *

O livro é dividido em duas partes, a primeira trás atona ao leitor as principais  memórias da juventude do narrador, Tony Webster. Já  na segunda parte Tony  está tentando encara-las mediante os fatos do presente ( 40 anos mais tarde ). 

O que leva Tony nesse profundo mar de nostalgia, é o fato de haver recebido como herança o diário de um de seus melhores amigos da juventude.   Tal inesperada herança  o leva a pensar não apenas Adrian ( seu amigo suicida, autor do diário), mas também em sua ex namorada Verônica.

A tentativa de recuperar mais memórias da juventude afim de compreender o atual estado de sua vida, o leva a muito remorso, e respostas que talvez não desejasse obter. 

Aos sessenta anos de idade, divorciado, pai e avó,  Tony conta com a ex mulher Magaret por um tempo, para tentar compreender certas coisas sobre si mesmo, mas logo fica por sua conta a compreensão nítida do que o passado fez do presente. Então Tony nota que passado não é apenas passado, é provavelmente o sentido que se esconde por trás do fim. 

 

 

 

Minha participação na Edição ANTOLOGIA POÉTICA SARAU BRASIL 2016

Cheguei  da faculdade há algumas horas, e tive a ótima notícia de que minha tão esperada correspondência  finalmente chegou!!!

20160908_230014

20160908_230121

w

Se trata dos livros da  Edição ANTOLOGIA POÉTICA  do Sarau Brasil 2016, que reúne através de um Concurso Nacional  poesias de  novos poetas.

Esse ano entre as poesias  selecionadas está (na página 225) meu soneto :

20160909_005047

Soneto didático para Leonardo

Os teus olhos cansados diziam coisas que não pude ouvir
Me distraia com seus lábios perfeitos olhando pra mim
Sentia tua alma me tocar e o amor intervir
Sem pé nem cabeça, começou assim

Te juro que menti que não era amor
Era tão confuso que me roubou o direito de mentir
Mas já estava tão inteiramente roubada, que consenti ao rumor
E disse, seja lá o que disse só pra não discutir

É que eu te quis pra valer
Como tem gente que quer só porque o outro quis equivaler
Mais foi bonito, foi amor correspondido

Foi meio apocalíptico
Mas se virasse um livro, ia ser didático
Sobre um tipo de sentimento meio subentendido


Muito feliz de fazer parte de mais uma seleção de poesias que rendeu publicação! 

Não imaginei que seria esta minha poesia selecionada, uma vez que assim como os demais candidatos enviei duas …

Este soneto em especial é o registro de um romance vorazmente vivido/sentido/sofrido e superado, que fora capaz de me trazer grandes aprendizados, por tanto é de extremo valor que tenha ido parar num livro.

Fica ai O Soneto De Didático Para Leonardo em estima a todo aprendizado gerado através da minha tentativa de compreender tal paixão …

Caro Leo, paixão é só paixão.

Isso significa tudo, pode não ser nada …

Importa  é que vivemos…

Aprendemos …

Supondo estar nos amando …

Respondendo Tags

Oi !

Está meio raro conseguir arrumar um tempinho para manter isso aqui na ordem desordenada dos fatos de cada dia. Mas pelo menos as TAGS tenho de responder né *-* Obrigação rs! 

hqdefault

Me perdoem , mas não pude resistir… tive mesmo de fazer essa montagem ridícula rsrs

Fui indicada pela Bia Perez do  Terceiro Ato  para responder a Tag 7 PECADOS LITERÁRIOS, e pelo Lucas Luciani  do Season Blog para  participar da Tag Top 7 … lá vou eu!

ps : obrigada pela indicação ❤ Bia e Lucas ❤


TAG Top 7  

tumblr_mn3zv1sU2v1rgpyeqo1_500

( Eu fiz de comida, mais cada um escolhe fazer do que quiser e indica 7 amigos para criar outros diferentes Top’s )

7-Salada de beterraba

6- Arroz a grega

5- Comida japonesa  …  muito amor ❤ rs!

4-Sorvete ( abacaxi ao vinho, flocos e todos mais rs!)

3- Esfiha de queijo do Habib’s ( preferencialmente com limão)

2- Pizza ( principalmente de portuguesa!)

1-Bolo de chocolate

  • Deixado de fora algumas paixões recentes como: O pão de mel com recheio de nozes da mãe da Ju, e o mil shake de morango do Bob’s 

Indicados para fazer um  Top 7 :

7- deixecrescer.wordpress.com

6- upendista.wordpress.com

5- oterceiroato.com

4- lendomuito.wordpress.com

3- inludere.wordpress.com

2- isabellacas.wordpress.com

1- inspiracaomclara.wordpress.com


TAG: 7 PECADOS CAPITAIS LITERÁRIOS!

Indicados para responder ( decentemente com fotos dos livros ou ao menos escrita sobre rs!)  :

Ismael do deixecrescer.wordpress.com

Apoli do apoliland.wordpress.com

O fascinado por livros Alex do lendomuito.wordpress.com


Ver tags similares em :

Tag: Livros e Adaptações  – aqui 

TAG: 25 FATOS LITERÁRIOS SOBRE MIMaqui 

 

 

 

Livros de Abril

WP_20160424_023

Eu nunca fiz esse  tipo de postagem antes, mas acho que assim vocês ficaram cientes do que estará  por vir nas resenhas futuras  e saberão mais  sobre os gêneros  de  livros que gosto,  podendo  até  me fazerem sugestões de compra.

max

Apesar  de já  ter lido quase todos  os livros do meu querido Max Lucado, Antes de dizer amém eu  não  consegui terminar  de ler em PDF (ultimamente tem sido  muito difícil pra minha vista ler qualquer coisa no celular!).

No entanto comprei o livro para presentear  minha irmã caçula que tanto quanto eu ama Max Lucado, e como ela está  sempre no  quarto ao lado rs eu vou ler também e em breve haverá resumo dele por aqui.

;D 

❤ Contra-capa: Quantas vezes você já pegou no sono depois de um dia cansativo e estressante, sem concluir a oração que começou? Quantas vezes viu seu pensamento vagar pelos mais diversos assuntos quando tudo o que mais desejava era conversar com Deus em busca de orientação? Quantas vezes sentiu vontade de fazer o mesmo pedido dos discípulos: “Ensina-nos a orar”?Esse pedido tão fundamental foi atendido por Jesus de maneira simples e objetiva, e é com similar simplicidade e clareza que Max Lucado conduz o leitor a um nível mais elevado da vida devocional. Com base na oração que Cristo ensinou, Lucado demonstra que, como numa relação entre pai e filho, conversar com Deus pode ser uma prática diária saudável e prazerosa para quem deseja se aproximar mais do Pai celestial.


marra

Estou  super curiosa sobre o romance de estréia de Anthony Marra, que foi best-seller do The New York Times e do The Washington Post.

❤ Contra-capa:  Ao ver sua casa pegando fogo, após seu pai ser levado por soldados russos, Havaa, de 8 anos, se esconde na floresta e observa as chamas até que um vizinho a encontra sentada na neve. Akhmed sabe que se envolver significa arriscar a própria vida e que não há lugar seguro para abrigar uma criança na vila, onde informantes fazem qualquer coisa por um pedaço de pão. Mesmo assim, ele a conduz até o único lugar em que acredita que a menina poderia estar a salvo: um hospital abandonado que já teve quinhentos funcionários e onde a úica médica restante, Sonja, está no degrau mais baixo de sua carreira, amputando membros dilacerados em pacientes atingidos por minas terrestres.

Também médico, Akhmed é pouco competente, mas bem-intencionado, e seus conhecimentos, embora precários, são rapidamente requisitados: ele logo aprende a serrar pernas atingidas por estilhaços de bombas. Apesar dos protestos de Sonja de que o hospital não é um orfanato, Akhmed consegue convencê-la a manter Havaa escondida ali.

Nesse cenário de guerras, ocupações e insurgências que arruinaram a Chechênia desde a década de 1990, a confiança entre Akhmed e Sonja desenvolve-se lentamente, com Havaa funcionando como ponte. As histórias de perda dos dois médicos farão com que eles se apeguem à menina com uma ansiedade cega.

 


                                           Meu  achado ❤

william

Eu já  li A  CABANA duas vezes, mas emprestar e presentear, fez com que eu ficasse sem nenhum exemplar desse grande livro. Quando saiu De Volta  A Cabana de C. Baxter Kruger eu fui correndo tratar de  comprar e ler, no entanto como sabemos não é  uma  continuação e sim uma especie de explicação sobre a Teologia por trás do grande sucesso de Willian P. Young ( que logo vai estar nas telonas! \o/ ).

E quando finalmente saiu A TRAVESSIA, eu não  me interessei tanto pela  história que seria narrada e acabei nem o lendo (mas confesso que com a sensação  de que estava por perder uma grande experiencia como  a proporcionada pelo livro  A Cabana). O tempo passou e o autor escreveu  EVA  que eu só tomei conhecimento da existência  hoje, quando minha irmã encontrou  no caminho  para  fila das Lojas Americanas  os três livros sendo vendidos juntos. 

Nem pensei  duas vezes rs, afinal  de contas eu teria meu exemplar  A Cabana de novamente, e de quebra dois livros inéditos pra mim de  um  grande escritor.

Serão  minhas próximas leituras e  renderam resenhas por aqui!

Aguardem!!!


WP_20160424_029

Comprado também recentemente (mas esse em SEBO)  por não conseguir continuar a ler em PDF, POLLYANA  foi um livro super prazeroso de ler, quem com certeza  será  também comentado por aqui em breve. 

Sobre:  Pollyanna é uma comédia de Eleanor H. Porter, publicada em 1913 e considerada um clássico da literatura infantojuvenil. O livro fez muito sucesso, e a autora veio a publicar, em 1915, uma continuação chamada Pollyanna Grows Up ( “Pollyanna Moça“). Mais onze Pollyannas se seguiram, muitas delas escritas por Elizabeth Borton ou Harriet Lummis Smith. A mais recente sequência de Pollyanna foi publicada no meio da década de 1990, escrita por Colleen L. Reece.


Em breve  as  resenhas  de cada  um !

Dia internacional do livro 23.04

101-dalmations-books

Hoje é  uma data muito  especial, é  o DIA INTERNACIONAL DO LIVRO (coincidência ou não, hoje o blog completou 1.000 seguidores e ganhou  um PÁGINA NO FACEBOOK conforme o planejado quando  atingisse esse número ^^ Então passa lá facebook.com/oeuinsolito ! Falo mais sobre num post futuro.),  e se você  segue esse blog provavelmente gosta de ler, e se gosta de ler, ama livros, então vamos falar  sobre …

SOBRE O DIA INTERNACIONAL DO LIVRO

A origem do Dia Internacional do Livro se deu na Catalunha, uma região da Espanha ( mais uma boa razão pra se gostar da Espanha ❤ ).

A principio a data começou a ser celebrada em 05 de Abril de 1926, em comemoração do nascimento de Miguel de Cervantes, escritor espanhol (autor de nada menos que o mundialmente conhecido e maravilhoso Dom Quixote).

O escritor e editor valenciano, estabelecido em Barcelona, Vicent Clavel Andrés, propôs este dia para a Câmara Oficial do Livro de Barcelona.

E em 6 de fevereiro de 1926, o governo espanhol, presidido por Miguel Primo de Rivera, aceitou a data e o rei Alfonso XIII assinou o decreto real que instituiu a Festa do Livro Espanhol.

No ano de 1930, a data comemorativa foi trasladada para 23 de abril, dia do falecimento de Cervantes.

Mais tarde, em 1995, a UNESCO instituiu 23 de abril como o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, em virtude de a 23 de abril se assinalar o falecimento de outros escritores, como Josep Pla, escritor catalão, e William Shakespeare.

images

Fonte: aqui